20 de jan de 2007

15 de jan de 2007

EU SEI...


EU SEI...


Eu sei que te excito,

te assanho, te enlaço

no abraço um carinho

no beijo atrevido

um gosto de vida

chama, labareda

te queima e te inflama,

te tira as medidas,

os modos, os medos

e tremes comigo

e gemes comigo

a voz fica rouca

na boca o sabor

suor, saliva, semente

meu corpo fremente

te envolve, sacia

alucina, enlouquece

voluptuosa e ardente

e o grito incontido

do gozo esperado

da paz, finalmente...


Ana Wagner

ESPELHO MEU


ESPELHO MEU


Espelho meu,

Veja esse brilho

Que um astro me deu!

Varreu todo o medo,

Nas curvas das letras,

No encanto sonoro

De rimas e musas

Reclusas, inclusas,

No peito carente.

Inclemente,

Abrandou a cegueira,

As trevas, espaços,

Singelos, comuns,

Envolveu em seus braços

Pedaços de mim

Desencontrados...


Ana Wagner

DOCE AMOR


DOCE AMOR


Meu doce amor

Teu abraço, um laço

Pedaço de mim, regaço

Ternura sem fim

Amparo infinito

Acode meu grito

Tens tanto encanto!

Com olhos serenos

Lançou-me um quebranto

De um doce amor

E um futuro sem pranto.


Ana Wagner

11 de jan de 2007

TRES POEMETOS



Infinito
inquietude
barco na noite
estrela brilha
mar sangrento
solitude

Ana Wagner


FAROL


Farol

Desenha o rumo
intenta, guia
fere os olhos
enquanto ensina
a sina, o sinal
a senha, assanha
na busca da luz
do termo ideal
da compreensão
final

Ana Waner


RETALHO



Retalho de vida
sem forças
sem planos
pedaço de pano
ansiando costura
agulha sem linha
ponto sem nó
essa mulherzinha
tão só...

Ana Wagner