26 de dez de 2007

FELIZ NATAL!



~~~~~~~~ É NATAL ~~~~~~~~

Veja-me como se eu fosse aquela verde árvore
que quer dar-lhe as cores da esperança,
e nas bolinhas coloridas o que sinto:
Na vermelha,o calor do carinho que tenho por você.
Na azul,a proteção dos Anjos aos quais peço por sua segurança.
Na amarela, cor de ouro, toda a prosperidade que lhe desejo.
Na roxa, a tristeza que sinto quando vejo você triste.
Na branca, a Luz da Paz que eu quero para a sua vida.
Quero ser um pouco seu Natal.
Sinta-me em cada caixinha de presente,
sorrindo com seu sorriso.
Nos laços coloridos,meus bons pensamentos
enfeitando a sua casa.
Nas crianças que correm felizes,
a energia positiva que lhe envio.
Nos sinos que tangem,ouça minha voz
em orações pedindo a Deus que lhe
dê proteção e que afaste qualquer mal.
Esteja você onde estiver.
Deixe-me ser um pouco seu Natal.
==============


(desconheço a autoria)

NATAL



~~~~~~~~ É NATAL ~~~~~~~~

Veja-me como se eu fosse aquela verde árvore
que quer dar-lhe as cores da esperança,
e nas bolinhas coloridas o que sinto:
Na vermelha,o calor do carinho que tenho por você.
Na azul,a proteção dos Anjos aos quais peço por sua segurança.
Na amarela, cor de ouro, toda a prosperidade que lhe desejo.
Na roxa, a tristeza que sinto quando vejo você triste.
Na branca, a Luz da Paz que eu quero para a sua vida.
Quero ser um pouco seu Natal.
Sinta-me em cada caixinha de presente,
sorrindo com seu sorriso.
Nos laços coloridos,meus bons pensamentos
enfeitando a sua casa.
Nas crianças que correm felizes,
a energia positiva que lhe envio.
Nos sinos que tangem,ouça minha voz
em orações pedindo a Deus que lhe
dê proteção e que afaste qualquer mal.
Esteja você onde estiver.
Deixe-me ser um pouco seu Natal.
==============


(desconheço a autoria)

21 de dez de 2007

ILUSÃO


ILUSÃO


Volta
a cotidiana tirana
rasga sonhos
atiça quimeras
ronda em rosas cores
quebra pratos
amacia
acaricia
bate forte
apaga-se
e retorna
ondula afagos
estende as garras
suavemente
ninhos nuvens
ilude, intenta
sedenta de chagas
cinzas doloridas
nunca morre...


Ana Wagner

20 de dez de 2007

CULPA


GETTY IMAGENS








CULPA


expio

carências impróprias

outro é senhor soberano

caminhando nos cacos

de espelho

nas sombras da solitude

segue vida nos trilhos

linha sem retorno

o mar acolhe, renova

devolve oferendas perdidas;

mar, fonte de vida

lavando pecados inatos

poderosa companheira,

solidão

veste o manto e abriga.


Ana Wagner

16 de dez de 2007

AUSÊNCIA


AUSÊNCIA


Ana Wagner

labaredas no olhar
num delírio de nadas
verde constelação

na madrugada
luar de leite
folhas de prata

agora dia
e o sol ferindo a visada
como um lírio aberto

logo mais, crepúsculo
fechando o cálice murcho
de um jardim deserto

depois a noite
o sonho iluminado
por uma profunda
e solitária estrela.

***

11 de dez de 2007

ABRAÇO A POESIA




10 de dez de 2007

LÍNGUA


LÍNGUA

selvagem

serpente

envolta

em voltas

língua

sugando

volúpias

soltas

sensualidade

de corpos

unidos
linguas

en-voltas


Ana Wagner

8 de dez de 2007

INTENSIDADE


INTENSIDADE

Corpo que aninha
estação de chegada
porto seguro
brasa na noite
intensidade
amor, madrugada
febril enlouquece
toma de jeito
desalinha...


Ana Wagner

4 de dez de 2007

REFLORESTAR


REFLORESTAR

Nas entranhas
do ser
profundo amor
perdura
obscura saudade
acalma
arrebata do longe
o íntimo
impregna alma
ternura
refloresta
árido deserto.

Ana Wagner

*

3 de dez de 2007

PRÊMIO ESCRITORES DA LIBERDADE


Prêmio

Escritores da Liberdade


Tive a agradável surpresa de ser-me concedido um prêmio.
Como blogueira: Escritores da Liberdade.

O prêmio foi-me atribuído por minha adorável amiga Marta Peres ,
também, anteriormente nomeada
“Escritor da Liberdade” , autora do blogue

http://universonapoesia.blogspot.com/

a minha amiga que foi inicialmente criado
e publicado no blogue Batom cor-de-rosa
http://batomcorderosa.blogspot.com

para distinguir e incentivar todos os que escrevem, partilham seus sentimentos,
opiniões,dividem as palavras amigas que recebem de seus amigos,colocam seus ideais,
seus gostos pela literatura,seja ela de que forma for e de que manifestação lhe seja atribuída.
O prêmio tem um simbolismo, e reflete o reconhecimento a quem escreve,a quem partilha.
É um generoso incentivo de quem o criou e de quem o atribui,
no meu caso a minha amiga Marta Peres.
Por isso, outros como eu, precisam desse reconhecimento e estímulo.
Passo o testemunho e procurarei ser isenta e justa na escolha,
respeitando quem o criou,
respeitar quem o imaginou, parabenizar os que o receberam
e a acentuar a credibilidade dos valores da LIBERDADE,
pois onde há liberdade há criatividade.

É, uma honra receber o prêmio

Escritores da Liberdade!

Muito feliz,mas muito feliz mesmo!

Abraços e beijos.

Muito obrigada, meus amigos

Ana Wagner

VÉU

VÉU

Caem palavras
propícias nuvens
fluem gotículas
delícia
banho de chuva
sentir a sensação
de estarmos
a banhar-nos
assim cobertos
de lágrimas
véu da esperança
na estrada inalcançável
no sorriso uma flor
na flor um beijo
silêncio
ouvir a música do vento...

Ana Wagner

*

29 de nov de 2007

SONO


SONO

Velo
teu sono
anjo protetor
sonhos nos olhos
bailam
à luz da lua;
por ser estrela
e brilhar no teu céu
feliz te consagro
numa noite
nua..

Ana Wagner

27 de nov de 2007

CARROSSEL

CARROSSEL
Sonhos vãos
azuis utopias
oníricas viagens
ninharias sem valia
entretendo os dias,
ficção do universo.

Baralho noções
carrossel de emoções
nos olhos de hoje
lúgubre dor infantil.

Ana Wagner

25 de nov de 2007

VARANDAS

VARANDAS


Mistério do vazio
sonhadas travessias
brancas redes, varandas
brisa leve, maresia
alma densa de encanto;
mar, vento, alento...

Tanto tempo, tanto quis
espelhar anjo, ser feliz
querubim, asas quebradas
pelas graças e desgraças,
na estrada sem retorno
plano lento, desalento...

Ana Wagner

22 de nov de 2007

MANIA





MANIA


mel nos lábios
mel
manhã teus braços
manhã
menino sonhos
menino
mundo maravilhoso
mundo
mania de amar
mania


mel, manhã, menino,
mundo, mania, medo...

Ana Wagner

20 de nov de 2007

19 de nov de 2007

Me Acolhe Primavera!


ME ACOLHE, PRIMAVERA!

Abre teus braços pra mim,
Primavera!
Me acolhe em tuas águas calmas
Após tão longa espera
Necessito teu colo sereno,
Teu vento ameno,
este sol a me embalar
Me faça dormir e sonhar
Derrama suave em minha alma
O teu delicado florir,
O véu azul do teu olhar
Me ilumina com cândida luz
Suave de doce renovar
Para que eu esqueça de vez
Meu velho medo de amar.

Ana Wagner

* Poesia destaque no concurso
Poemas à Flor da Pele

15 de nov de 2007

SINA

***
SINA

Seremos sonhos
serenas sombras
sonoras somas
selvagens sinas.
Sem silêncios,
só sentimentos.
Sobrarão saudades.
Serenidades...

Ana Wagner

***

13 de nov de 2007

VIRTUAL OU REAL?


VIRTUAL OU REAL?

sou real
mas teatral
não tenho rosto definido
sou ser transcendental
sinto, sonho, amo e grito
e meu virtual me representa
fisicamente me ausenta
dos olhares inclementes
situações inexistentes

sou igual, pura emoção
sou paixão e poesia
aqui bate um coração
a tristeza e alegria
e todos os elementos
do bendito dia-a-dia
real ou virtual?

Ana Wagner

10 de nov de 2007

MULHER GUERREIRA

Mulher Guerreira

Flechas libertas
pelo arco do destino,
sou guerreira
buscando sonhos
na alma sofrida,
sou feminina
buscando o norte
do coração.

Flechas libertas
alçam vôo
sem direção
mas as palavras,
chagas traçadas,
não perdem as forças
em seu rumo vão
por entender
que os sonhos
têm vida própria
em nossa jornada..

Ana Wagner

8 de nov de 2007

MEU MOLEQUE


***
Meu Moleque

Gosto do teu jeito moleque
o jeans desbotado
a fala dengosa
o tênis surrado
a mão audaciosa
o beijo atrevido

Gosto do sorriso maroto
um certo ciuminho
e quando me amas
diz frases de amor
palavras picantes
com mil entrelinhas

teu corpo macio
carícias dolentes
do jeito que vens
com teus entremeios
com fome de vida
sem nenhum receio

gosto quando te calas
os olhos brilhantes
sonhando quimeras
viajando em estrelas
comigo a teu lado
eterno menino

e quando te ausentas
saudade inquieta
nos braços abertos
o meu sussurrar
beijos sedentos
tempos de amar.

Ana Wagner

30 de out de 2007

SILÊNCIO


Silêncio

Cala!
não fala agora
ouve o silêncio
numa atitude de entrega
dá vazão aos teus sentidos
tudo emudece...
Placidamente, o tule multicor
do crepúsculo leve
feito pó de cristal.
escorre sobre si mesmo
A tarde agoniza
dilui-se à luz dourada
sonhando estrelas
nos braços da paz
o silêncio se oferta
o brilho no olhar
partículas da nossa essência.

Ana Wagner

26 de out de 2007

FANTASMAS

Fantasmas
Fantasmas
Enquanto esses

velhos fantasmas
me ouvem
e me aplaudem
refaço meu personagem,
repriso o espetáculo
repenso minhas loucuras
Depois, sei, no camarim
irei vestir-me de branco
com o selo da esperança
cunhado em meu peito
estarei pronta para
o lânguido repouso
livre e leve
sob a guarda
de um anjo sem rosto

Ana Wagner


23 de out de 2007

FÊMEA

FÊMEA

Profundo almíscar
deixei rolar
nos teus espaços
sem arreios
te escravizei!
meu cheiro
fêmea tua
entreguei
silênte e forte
o gozo meu
encheu o ar
longo prazer
te conceder
meu ventre ardente
e a tarde em mim
primaverou
docemente...

Ana Wagner


***

21 de out de 2007

ALVORADA

Alvorada

Alvorada morna
impregnada de perfume,
flores silvestres
sorrisos de criança
o dia se transforma
pela mão do céu
e o maior de todos
os pintores do universo
pincela em sua tela
nuvens coloridas,
cenas celestiais
sonhos nos olhos
bailam à luz da lua
inebriante ventura
pois hoje és todo meu,
e sou toda tua!

Ana Wagner

NOVA LINHA


Nova Linha

alma povoada de flores
boca com gosto
agri-doce de uvas
dia de tíbio sol
o poeta procura
pela lua prata
dourado mistério
aroma de mel
em seu papel
branco...limpo
novas letras
nova linha.

Ana Wagner

LEMBRANÇAS


Lembranças

Sei não restará
carinho nem dor
sei, moram em ti
pedacinhos de mim
não fui passageira
não fui brincadeira
fiz sofrer, sofri
foi fulgurante
o desejo, o beijo
um lampejo
inebriante paixão
em cada linha, doçura
loucura e agora
fico calada
vida pequena
interditada,
resignada,
empresto
meu verso
pra você cantar.

Ana Wagner

18 de out de 2007

TATUAGEM


TATUAGEM
O dia libera o perfume
de alecrim final
de solidão visceral
vinga-se por encomenda
doces olhos clamantes
onde mergulhei inteira
na ânsia de ser amada
a marca amarga do tempo
há muito me tatuou
angústia desmerecida
desde o início da jornada
trilhamos o mesmo caminho
mas chegamos separados
pelos espinhos marcados
e as pálpebras cansadas
pelo andar das palavras
ferindo nossos passos

Ana Wagner

13 de out de 2007

FRUTO PROIBIDO

***

Fruto Proibido

Tua face serena

tem o repouso de um colo

tua voz chocolate

de paladar salivante

teus lábios, doces frutos

me adoçam e viciam

tua poesia me eterniza

e pulsa em arco-iris

nossa alma, nosso elo

um anelo de futuro

mas esse fruto maduro

que me alimenta e sacia

já quase no fim do dia

vai revelando a ferida:

profetizando a despedida.

Ana Wagner

***

11 de out de 2007

A CAIXINHA DE ESTRELAS

Caixinha de Estrelas

Tua janela aberta
pedacinho de meu céu
passarinho, doce ninho
melancolia, canto triste
voa no espaço perdido,
pacotinhos de nossos sonhos
guardados nos quatro cantos
naquela caixinha de estrelas
perfume de teu abraço
impresso em meus sentidos
nos cabelos rebeldes
toque de tua paixão
carinho, doce atração
entrega, chaves de mim
Havaiano paraíso
Sol, lembrança, ausência
Beijos desperdiçados
Irreverência nas palavras
Poços de olhos fundos
Ponte cedendo aos passos
manhãs em teu abraço
cabelos desalinhados
Na plenitude dos dias ,
no final do arco-íris
repousei a esperança
Beijei teus lábios de mel
Entre lágrimas felizes

Sonhada bonança

Ana Wagner

7 de out de 2007

NUVEM BRANCA

Nuvem Branca

Vestida de branco
nuvem eternidade
anjo restaurado
minha fragilidade
cálido repouso
vida sem espinhos
voz que suaviza
acalanto, terno afago
leve, levinha...
como colcha de versos
meu terno aconchego
sonhando estrelas
cintilâncias de amor
silêncio que se oferta
com o rosto lavado
pés descalços
corpo solto
alma nua
paz

Ana Wagner

***

UNI VERSOS


Universos

Você tem lábios de mel?
Não sei... Mas você descobrirá
Você é chuva mansa na primavera
Choverei para te fazer arco-íris
Carícia de brisa morna?
A amaciar tua pele...
Você impele meus remos pelo mar infinito
Levando-a ao horizonte de seu prazer
Como um grito preso na garganta...
Um gemido

Rútilo de amor e sedução
Surgido desse amor dissoluto
Viverei então sua fantasia divina
Preciso paz desse amor bendito
Iluminado seja tua graça
Me abraça chama quente... Me ilumina
Te invado e acendo sua chama... Me ama...
Não mais menina mulher melhor luar
Reflexos do mar... Um leve sonhar
Poetar...
Poetar...
Da vida... O mar... Nosso nobre amar
Serena fonte de quebranto... Meu altar...
Branca... A flutuar te unirás
Herdarás meu legado de amor
Gerarás frutos sem dor
De teu amor luares gestarei
Universos explodirão em comunhão
Lembra...? Lembra...?
O futuro no passado se anuncia
Foste vida... Amada e ressurgida
Nesta trilha que nos resta percorrer...
Completaremos... Atentos... O saber viver
Infinitos... Livres... Eternamente
Completos extenuados de nosso prazer.

(Ana Wagner & Flacast 27.06.07)