27 de set de 2007

ANJOS NA AREIA


ANJOS NA AREIA

Sem ver sentido
nas asas do infinito
rabisco anjos na areia
abri felicidade, esperança
numa gota, num sorriso
numa voz terna que me invade
longínquo toque de carinho
magoado coração de criança
esse adeus foi cedo demais
sem teus olhos de neblina
meus mil olhos molhados
coração petrificado
o oceano me ensina
com a mão espalmada
tapo a boca da noite
velha rotina
tudo emudece
é sina.

Ana Wagner

26 de set de 2007

CÉU

CÉU

Idéias sonâmbulas
luzes se abrindo
tantas partidas
tantas ausências
taça ardente
vinho rascante
amargo mistério
de ser poeta
moldada
para ganhar o céu
o céu mais quente
o céu da boca
o seu...

Ana Wagner

23 de set de 2007

PERDOA-ME!

PERDOA-ME!

Meus lábios
beijam teu nome
lânguida onda suplico
à lua democrática:
perdoa-me
se as palavras
te ferem
perdoa-me por
invadir teus sonhos
os murmúrios dos
teus rios
teu estranho sonhar
tua eterna
madrugada
perdoa-me
por te amar!

Ana Wagner

20 de set de 2007

VENTO SUL


VENTO SUL

Madrugada gelada
e sem honra
maldito silêncio
a gritar

dorme, dorme
não luta, mulher!

esbravejam
pétalas caídas

os pássaros
morreram na geada

apagaram
a estrela fugaz

e o vento sul
impiedoso

enrijece
teu corpo de dor;

medíocre
gargalhada...


Ana Wagner

19 de set de 2007

INESPERADO


Inesperado

Me desdobro
em pedacinhos
sem dores de mim
nudez nas palavras
mudez secretas
nos gestos
no toque
indiferente
imagino a fuga
o sol queima
minha retina
sigo em frente
sedução
é sina
entregue
à arte
de amar
inesperada
mente


Ana Wagner

***

17 de set de 2007

MENINA, VEM CÁ!


***
Menina, vem cá!

Menina vem cá
me diz uma coisa
você não se cansa?
desmancha esta trança
deixa de ser criança
acorda pra vida
deslancha na dança
brincando sozinha...
procura um adulto
pergunta pra ele
é bom ser assim?
crescer faz doer?
você vai saber
o bonde tá cheio
o bife tá caro
o ar tá doente
o verde, carente
menina me entende!
sossega e aquieta
teu dia foi ontem
teu ontem não vem
não tem mais ninguém
brincando na praia
a areia tá seca
o sol se escondeu
recolhe os brinquedos
te enrola num sonho
e me diz adeus.

Ana Wagner


***



15 de set de 2007

FOLHA SECA

Folha Seca

Não sou, apenas estou
vazia folha seca
caçadora
encontrando,
o garimpo vazio
de esmeraldas
gosto agridoce
na boca
primavera após
árido inverno
ancoradouro
de luz inebriante
madrugada vadia
deparo olhos tristes
vozes soltas e risos
medos escondidos
dos segredos
pesadelos
passados
temporais
ainda não é hora
de passagem
é brisa morna
flores banais
alvorece...


Ana Wagner

6 de set de 2007

ÂMAGO


***
Âmago

Da necessidade
aturdida de vida
nasceu a solidão
impensada
pousei esperança
leito promissor
dediquei amor

ao poeta
sentimento
que inerte
transfigura
e a seus pés,
serva ,ofertei
beleza, virtude,
fragrância,
eterno
etéreo desejo
melancólica,
ausência versejo

Ana Wagner

5 de set de 2007

FEL


FEL

Dedos corroídos
molhados, sangrados
o tempo dá voltas
tudo agora se desfaz
cai das folhas
em silêncio
uma flor murcha
em agonia
licor dos deuses
em trama vegetal
me sirvo dele
e sorvo o fel
final

Ana Wagner

2 de set de 2007

RENÚNCIA

RENÚNCIA

Não vou mais
render graças
aos encantos
por que deveria ?
se nesse canto
tanto pranto
não caberia
a busca insana
por iludir e seduzir
a quem ama
e espera, inspira
e então esquece;
no limiar do dia
a penumbra destila
todo o veneno
e seguirei inteira
desfrutando a liberdade
dessa dolorosa renúncia

Ana Wagner