5 de mar de 2008

lLINO SOARES QUINTAS NETO








DESTINO


Sou apenas um homem que chora o seu destino
Não conhecia o impacto doloroso do meu fado.
Eu sou apenas retalho de um cretino e libertino.
Traste envelhecido que relembra o seu passado.

O destino é isso é presente olhando para frente.
O passado é somente uma névoa quase apagada.
É o hoje se projetando para amanhã impaciente.
Numa vida construída e construindo já passada.

O destino não tem espaço de tempo é vencido.
Vencedor dos sentidos é perverso e insensível.
Vence a paixão torpe amor que reluta perdido.

Assim se comporta o destino ele é inexorável.
O maior aliado da dor e sentimento sofredor.
Eu sou um eterno aprendiz do impronunciável.

Lino Soares Quintas Neto
5 de março de 2008.

Nenhum comentário: