5 de ago de 2007

SONHOS VAZIOS


***
Sonhos Vazios

Das estrelas submersas
um poço de silêncio
das lágrimas mortas
inventei a quimera
investi na fantasia
antigas aventuras
passadas paragens
degustei amargura
de meus livros antigos
salivei a poeira
da inocência esquecida
provei fundo da vida
habitei em teus sonhos
com as mãos amarradas
e vazias sementes
e o castelo ruiu
com demente loucura

***

Ana Wagner

Um comentário:

Anônimo disse...

Vejo em você, dom e a arte de esculpir palavras...

Bela obra

Eduardus Poeta